Elefante Recomenda

Cemitério de Dragões – Legado Ranger I, Raphael Draccon | Resenha

Cemitérios de Dragões é o primeiro volume da trilogia O Legado Ranger, do escritor que dispensa apresentações: Raphael Draccon. O livro leva o selo da Fantástica Rocco, da nossa querida Editora Rocco.

Lançado em 2014, a série atualmente já conta com seus três livros disponíveis: Cemitérios de Dragões (I), Cidades de Dragões (II) e Mundos de Dragões (III).

Sinopse:

Um soldado de elite do exército americano desaparecido em uma missão no Afeganistão. Uma africana guerrilheira crescida em meio a conflitos étnicos de Ruanda. Uma garçonete irlandesa praticante de artes marciais mistas. Um hacker brasileiro descendente de orientais. Um dublê francês mestre em Parkour. Cinco realidades distintas.

Um fenômeno desconhecido faz cinco pessoas, sem qualquer conexão e espalhadas pelo planeta Terra, acordarem em diferentes regiões de uma realidade devastada por um império de reptilianos e assolada pela escravidão.

Os cinco iniciam uma jornada em busca de respostas para sobreviverem no centro de uma guerra envolvendo criaturas fantásticas e demônios dispostos a invocar perigosos seres abissais para servirem a seus propósitos. Porém uma entidade pretende conectar o destino dos cinco humanos e armá-los com uma tecnologia construída à base de metal-vivo, magia e sangue de dragões. Uma tecnologia jamais vista naquela ou em qualquer outra dimensão, capaz de gerar heróis de metal.

Batalhas empolgantes, romance e magia. Esse é o universo épico de Cemitérios de Dragões, inspirado em uma visão adulta e sombria das antigas séries Tokusatsu, como Jaspion, Changeman, Flashman, Ultraman e tantas outras, que marcaram a infância de toda uma geração.


Resenha Cemitérios de Dragões:

O primeiro volume da trilogia conta a história de como cinco pessoas, por um fenômeno desconhecido, acordam em um lugar que não conhecem e não tem ideia de como foram parar lá. Esse lugar conta com tudo o que há mais de fantasioso que conhecemos: anões alquimistas, dragões, demônios, monges que viram homens-leões. Tem também magia e uma tecnologia, literalmente, de outro mundo.

Logo no começo vamos conhecendo os personagens. Temos Derek e Amber que estavam em uma prisão dracônica exercendo trabalho escravo. Derek começa uma revolta e livra os escravos. Depois descobre que ele é o escolhido pela Árvore do Bem e do Mal para ser o líder contra o demônio Asteroph, que pretende exterminar tudo e todos.

Temos Daniel, um brasileiro com descendência japonesa e nerd assumido. Também temos o francês Romain. Eles se conheceram no mesmo local onde Daniel estava preso, sem se lembrar o motivo. Romain, pelo tempo que se lembra, desde quando chegou naquela cidade, conseguiu aprender a língua local, o que ajudou muito ele e Daniel seguir um caminho que, no final, acabou juntando os cinco aventureiros.

A quinta aventureira dessa história é Ashanti, uma guerreira escolhida na cidade de Taremu para proteger “A Dádiva” contra o demônio Asteroph na Noite da Serpente.

“A Dádiva” é um rapaz franzino chamado Mihos, que possui um grande conhecimento. Segundo a lenda, ele vai livrar a tudo e todos contra os males da Noite da Serpente. Como? Nem ele mesmo sabe.

Após aventuras isoladas, as circunstâncias faz com que eles se encontrem, e acabam por formar um “time” Ranger. Sendo assim, possuem armaduras e armas super tecnológicas criada por anões desse lugar desconhecido. Até então, ninguém sabe mesmo se é real ou não.

Cada armadura tem a cor correspondente a cada tipo de dragão que a banhou em sangue. Derek com a vermelha, Amber com a rosa, Ashanti com a dourada, Daniel com a azul e Romain o verde. (Te lembra alguma coisa? hehe).

O intuito desse encontro é combater o demônio Asteroph. Porém, para isso, é feito um pacto com uma demônio-bruxa, Ravenna, a única que sabe como fazer os aventureiros voltarem à Terra.

Draccon realmente sabe como fazer a gente mergulhar no livro. Todas as suas brilhantes narrativas misturam desde a severidade de um soldado americano até um nerd que não pára de fazer piadinhas a todo momento. Além, claro, de nos fazer ver um filme na cabeça com suas descrições ricas.

Ao final do livro, todos os personagens devidamente apresentados, os encontros feitos, o time formado, ficam algumas dúvidas… O que acontece se eles conseguirem voltar à Terra? Afinal, que lugar é esse e como foram parar lá?

Eu tô é doida pra saber!


Elefante pergunta: Já leram Cemitérios de Dragões? O que acharam dessa narrativa?

Você também poderá gostar de:

Comente via FB ♥