Vocês acreditam que a última entrevista que fizemos aqui no Elefante Voador foi em outubro do ano passado? Assim não dá, não é? Para compensar o delay, trazemos uma entrevista super bacana com o autor Antonio Voorhees ♥ Conheça um pouquinho mais sobre ele e suas obras:

Elefante Voador: Quem é o Antonio Voorhees?

Antonio Voorhees: Estudante de Letras (Inglês-Português), escritor Paulista-Mineiro há 5 anos, pai do Enzo, redator e colunista.

Elefante Voador: Quando você percebeu que gostaria de escrever livros? Conte um pouco sobre sua trajetória como autor.

Antonio Voorhees: Desde que comecei a ler livros de terror, pois quando criança eu odiava leitura, até encontrar por final, algo que eu realmente gostasse de ler, que despertasse a minha curiosidade. Desde então venho rascunhando histórias, idealizando enredos até que consegui publicar um livro físico!

Elefante Voador: Por que o gênero Terror?

Antonio Voorhees: Porque foi o gênero que me trouxe para a literatura, é algo que está em constante crescimento, alcançando cada dia mais público e eu realmente sou viciado em conteúdos de terror e suspense.

Elefante Voador: Conte um pouco sobre a nova edição do livro “O baú de maldições”. O que mudou em relação a primeira edição de 2012?

Antonio Voorhees: A nova edição do meu livro conta com uma diagramação e revisão bem mais forte, além de uma capa mais elaborada – Eu adoro capas bonitas – E acrescentei alguns contos inéditos. Só melhorou!

Elefante Voador: De onde surgiram as inspirações para escrever os contos de terror de “O baú de maldições”?

Antonio Voorhees: É uma coletânea de histórias de terror, horror e suspense a qual tirei aproveito de muita coisa que me cercava na época. Alguns foram contados pela minha avó, Jovina. E eu adaptei para conto. Outros foram inspirados em histórias que eu conhecia, ouvidas e acredite, eu me inspirei em casos reais de matérias que eu assistia no telejornal.

Elefante Voador: Você gostaria de ver a obra adaptada para outros formatos?

Antonio Voorhees: Totalmente, acredito que quando uma obra literária ganha outros formatos é que está tento sucesso e descentralização adequada. Nós estamos lançando no meu canal no Youtube um quadro que se chama #SábadoSangrento onde vamos disponibilizar gratuitamente histórias de terror baseadas em meus livros e de outros autores amigos, em áudio e imagens ilustrativas! Já é um grande passo!

Elefante Voador: Conte um pouco sobre seu próximo projeto “Hóspedes do medo”. O que os leitores podem esperar da obra?

Antonio Voorhees: #HDM é um projeto mais antigo que O Baú de Maldições, eu havia escrito ele em formato de roteiro para um longa, mas no meio do caminho eu transformei em livro e vamos publicar ele ainda este ano. É meu primeiro romance, uma única história de drama, suspense e terror, vocês vão adorar!

Elefante Voador: E sobre “AVE SATANI”? 

Antonio Voorhees: Este livro traz uma temática bem intrigante que é o retorno do Anticristo, algo que chama atenção de muitos fãs de terror. Embora seja um bom enredo eu decidi não divulga-lo como material de trabalho, mas disponibilizei no meu perfil no Wattpad para quem quiser conferir totalmente de graça.

Elefante Voador: Como é sua relação com os leitores, na internet e rede sociais?

Antonio Voorhees: Acredito que eu aconteci mesmo foi neste mundo virtual, foi de onde o Antonio Voorhees surgiu, a gente já pode conta com um grande número de leitores somando as redes sociais. E isto é muito importante pois são pessoas que estão dispostas a me indicarem para entrevistas, participações em programas de televisão e rádio, para blogs e sites. E isso acaba impulsionando a minha carreira. Grandes feitos como ganhar um espaço especial no Flipoços e convite para outras feiras no país, matéria exclusiva no G1, R7, UOL convite de editora e ser finalista de um prêmio anual de literatura contemporânea eu consegui graças ao apoio dessas pessoas tão especiais.

Elefante Voador:  Deixe uma mensagem para os leitores do Elefante Voador:

Antonio Voorhees: Eu adorei a entrevista! Espero que os leitores do EV curtam e sintam-se a vontade para me acompanhar e entra no meu mundo sombrio e sangrento (Risos).

Leia também: Elefante Entrevista Fernando Ferraz, autor do livro “New Dream”

Jogo Rápido

Um autor(a) brasileiro(a): Um só? Eita! Então pode ser o Alvaro Cardoso Gomes.
Um autor(a) estrangeiro (a): Ira Levin.
Um livro nacional: Acreditem se quiser, mas meu livro de cabeceira é ‘’A bolsa amarela’’. Infantil, mas tão especial!
Um livro estrangeiro: O bebê de Rosemary.
Um personagem literário que se identifica: Raquel, de a bolsa amarela. A imaginação dela é tão louca que ela acaba tendo problemas para separar a realidade com a ficção, igual a mim!
Um filme/série: Eu estou bem in love com “American Horror Story”, “13 Reasons Why” e acabei conhecendo uma série com três episódios da Netflix que se chama “Residue” – Super distopia com terror, além de ter  atriz que interpreta a Tonks em Harry Potter, como atriz principal! Sickening!
Uma musica: Eu estou ouvindo atualmente um álbum da banda Nightwish que se chama “Imaginaerum’’ e estou amando!
Um sonho a realizar: Eu quero lançar um livro de terror infantil, ilustrado, e gratuito para distribuir na rede publica de ensino, onde meu filho Enzo será o personagem principal! Quem sabe pela Lei Rouanet em 2018 – Vai ser o máximo! 
Uma frase: Eu só preciso de quem queira estar comigo – Blair Waldorf
Antonio por Antonio: Autor possuído, pai de um príncipe e Comensal da morte disfarçado!(Não contem pra ninguém)

Gostaram da entrevista? Para conhecer ainda mais sobre o trabalho do Antonio Voorhees visite seu site oficial clicando aqui ♥.


Elefante pergunta: Que outro autor nacional você gostaria que fosse entrevistado pelo Elefante Voador?

One thought on “Elefante entrevista o autor Antonio Voorhees

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Next Post

"Papai Comédia" é o mais novo lançamento da editora Belas Letras

Fri Jun 23 , 2017
“Eu recebi e senti a minha filha. A cabeça tocou levemente a minha mão esquerda; o corpo repousou na minha mão direita. Foi o centésimo […]
Bitnami