Em março, nós fizemos uma postagem falando sobre o lançamento de Convergência, o primeiro volume de Zodíaco: o legado, que é escrito por ninguém menos que Stan Lee! (saiba mais clicando aqui).

A Novo Século Editora nos enviou um exemplar e hoje trazemos a resenha da obra para vocês. Será que tivemos as expectativas atendidas?

Quando doze superpoderes mágicos são desencadeados no mundo, um chinês-americano chamado Steven se vê no meio de uma perseguição global épica. Ele terá que dominar poderes estranhos, derrotar os mercenários da loucura e desvendar os mistérios do Zodíaco.

Título Nacional: Zodíaco: O Legado – Livro 1 : Convergência
Título original: The Zodiac Legacy – Book 1: Convergence
Autor: Stan Lee, Stuart Moore, Andie Tong
Nº de Páginas: 400
Categoria: Ficção; literatura estrangeira
Formato: 16×23
Acabamento: Brochura
Edição: 1ª
ISBN: 9788542810578
Preço: R$ 49,90

Leia o primeiro capítulo clicando aqui.


Resenha

Confesso que ao receber um exemplar de Convergência, eu estava com as expectativas lá em cima. Afinal, estamos falando do mestre Stan Lee.

A primeira surpresa – positiva – foi em relação ao projeto gráfico do livro. Convergência é repleto de ilustrações do início ao fim, que dão ainda mais dinamismo para a história. Além das ilustrações incríveis de Andie Tong, a diagramação do livro é impecável, a editora teve todo um cuidado na hora de fazer as aberturas dos capítulos, capa com relevo… Ou seja, só por isso já vale a pena ter esse livro na estante.

Mas e quanto a história?

Neste primeiro volume da série Zodíaco: o legado, conhecemos Steven Lee. Quando a história começa, Seven está em um museu em Hong Kong. Durante a excursão, ele acaba descobrindo uma área secreta do prédio e se depara com algo que nunca tinha visto na vida: uma espécie de piscinas antigas ligadas aos poderes do Zodíaco chinês.

Steven respirou fundo. O ar estava rançoso e viciado. Independente do que este lugar seja, pensou ele, é muito mais velho do que o museu.

[…] O que estava acontecendo? O que era aquela sala, afinal? O que eram aqueles misteriosos campos de líquido? Por que uma valiosa peça do museu tinha sido instalada em um lugar tão bizarro?

Neste local. um cara chamado Maxwell está no meio de uma experiência tentando absorver o poder desses signos mas algo dá errado e alguns dos poderes são libertados e saem em busca de uma pessoa compatível para se “instalarem”.

— É, claro, eu entendo – interrompeu o novato. – Energia louca, poder antigo, que por algum motivo me escolheu. Tudo bem até aí.

Steven Lee acaba recebendo as habilidades do signo do Tigre, que lhe dá super-força e reflexos incríveis. E, é claro, o coloca na mira de Maxwell que pretende encontrar todos os novos hospedeiros dos poderes do Zodíaco para conseguir extrair essa energia par si.

Por sorte, ele não precisará passar por tudo isso sozinho, pois logo ele é recrutado para um grupo que pretende deter Maxwell e sua Vanguarda. A partir daí, começa uma perseguição incansável e repleta de ação.

Ele procurou com os olhos e ouvidos o próprio olfato e mais alguma coisa: um sentido extra indefinível, algo que o poder Zodíaco lhe concedera.

Maxwell tenta colocar as mãos nos adolescentes que receberam os poderes inadvertidamente, enquanto Steven e seus novos colegas tentam chegar até eles antes de Maxwell, para impedir que algo de ruim aconteça.

Durante a narrativa, conhecemos personagens bem marcantes. Cada uma sua maneira, contribuem para o desenrolar da história. São personagens muito bem construídos e com personalidades bem distintas. Particularmente, gostei muito de Jasmine. Ela é uma espécie de “lider” no grupo que tenta deter a Vanguarda. Trata-se de uma mulher corajosa, determinada e inspiradora ♥

Steven também é um personagem que evolui muito durante a história. Ele vai se autoconhecendo, descobrindo seu lugar, ganhando um propósito de vida e isso é bem bacana, porque no início ele não é mais do que que um adolescente de 14 anos super deslocado.

Sua história é a sua herança, disse o avô. E a herança é a sua força.

Gostei bastante da narrativa, não achei nem um pouco óbvio o rumo que a história tomou. Achei a leitura bem rápida e dinâmica, com um ritmo bem empolgante. Chega a ser desesperador em alguns momentos.

Como sempre, Stan Lee não decepcionou. Convergência parece uma espécie de X-men-adolescentes dos signos chineses. Adorei a história, me diverti bastante e estou super ansiosa para descobrir o que acontece no próximo volume.


Elefante pergunta: Você sabe qual é o seu signo do Zodíaco Chinês? Qual habilidade ligada ao seu signo você gostaria de ter?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Next Post

Confira o álbum de figurinhas da turma da Mônica Toy com realidade aumentada

Mon Jul 3 , 2017
Nós do Elefante Voador já não temos as tão esperadas férias em julho, pois já estamos no mercado de trabalho (e dai as coisas mudam […]
Bitnami