Lançamentos Rocco | Outubro 2017

Nosso primeiro post de outubro está cheio de novidades sobre uma das coisas que mais gostamos: livros! Trazemos os lançamentos da Editora Rocco para este mês e já vamos adiantar que tem livro novo de J.K. Rowling no meio♥ Confira:

Rocco

A delação
John Grisham

Um dos mais aclamados autores americanos retorna com um tema que acerta em cheio a realidade brasileira atual. Suborno, favorecimento ilícito de grupos privados, corrupção e suspeitas recaindo no judiciário são temas que ocupam os nossos jornais diariamente e movem também A delação, novo livro de John Grisham, autor de bestsellers como A firma, O Dossiê Pelicano e O cliente, todos grandes sucessos também no cinema. A obra, que ocupou o topo da lista de mais vendidos nos Estados Unidos, é um thriller que engendra todos os perigos de uma investigação de grupos criminosos com grande poder econômico.

Na trama, a investigadora Lacy Stoltz, do Conselho Judicial da Flórida, é designada para o contato com uma fonte que afirma ter informações sobre a compra de um juiz. Junto de seu parceiro Hugo Hatch, ela segue para a cidade de Saint Augustine, onde a fonte acaba revelando que se trata da juíza Claudia McDover, que estaria envolvida com a máfia responsável pela construção de um cassino em terras indígenas. O esquema envolve ainda lucrativos projetos imobiliários no entorno, que beneficiam diretamente a juíza.

Tudo piora quando eles também são informados do assassinato de um ativista anticassino da nação indígena que ocupava as terras. A máfia, que é chefiada pelo bandido Vonn Dubose, teria sido responsável pelo crime e recebido mais uma vez apoio de Claudia McDover para incriminar o principal parceiro do ativista.  Lacy Stoltz e Hugo Hatch acabam atraídos para a reserva indígena e tudo começa a ficar ainda mais sinistro. Com o desenrolar das investigações, a juíza e Vonn Dubose começam a suspeitar que a história foi vazada para a fonte por alguém muito próximo e o autor da delação passa a correr perigo.

O livro consegue conjugar com muito êxito a questão do envolvimento entre organizações criminosas e agentes públicos com o tradicional talento de John Grisham para histórias de intrigas perigosas. Com o adicional de ter em Lacy Stoltz uma grande protagonista feminina, que luta por justiça em um ambiente perigoso e contaminado pela corrupção.

Autor: John Grisham
Tradução: Maira Parula
Preço: R$ 39,90
384 pp. | 16×23 cm
ISBN: 978-85-325-3088-2
Assuntosficção – romance/novela, suspense
Selo: Rocco


Vidas muito boas
J.K. Rowling

É da Rocco a edição em português do discurso de paraninfa de J.K. Rowling em Harvard, em 2008. Vidas muito boas –As vantagens do fracasso e a importância da imaginação tem ilustração de Joel Holland e será publicado em 7 de outubro de 2017 no Brasil.

Em 2008, J.K. Rowling fez um discurso de paraninfa de profunda repercussão na Universidade Harvard. Agora publicado pela primeira vez em língua portuguesa, Vidas muito boas leva as palavras de sabedoria de J.K. Rowling a todos que estão em um momento de virada na vida, com perguntas profundas e provocadoras: Como podemos aproveitar o fracasso? E como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?

Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Com temas como o fracasso, as dificuldades e a inspiração, este livro ainda é tão relevante hoje como foi quando as palavras foram proferidas nove anos atrás.

O presidente de Harvard, Drew Gilpin Faust, disse, “Que exemplo poderoso ela incorpora e que dádiva extraordinária seu discurso foi, e é, para todos nós que tivemos o privilégio de ouvi-la na época — e de ler agora”.

J.K. Rowling doará a renda proveniente da venda desses livros a sua instituição filantrópica Lumos Foundation, como parte de seu empenho para cobrir os custos contínuos com caridade, e assim todas as doações serão revertidas diretamente aos projetos encampados.

Autor: J.K. Rowling
Tradução: Ryta Vinagre
Ilustração: Joel Holland
Preço: R$ 29,90
80 pp. | 13×19 cm
ISBN: 978-85-325-3087-5
Assuntosautoajuda
Selo: Rocco


Os Romanov – O fim da dinastia
Robert K. Massie

O desaparecimento da família imperial russa foi um dos maiores e mais cultivados enigmas do século 20. O czar Nicolau e a czarina Alexandra teriam sido assassinados por tropas bolcheviques ao lado de seus cinco filhos, porém o fato jamais foi oficializado pela Rússia Soviética. Ao longo de quase cem anos, relatos confusos, truncados e repletos de contradições foram dando origem a lendas que atravessaram fronteiras e gerações. Na mais famosa delas, a jovem Anastácia teria sobrevivido ao massacre e perdido a memória – uma trama fantasiosa que inspirou romances açucarados, musicais de Hollywood e desenhos animados. A realidade, no entanto, é muito mais cruel, ainda que igualmente fascinante. Em Os Romanov: O fim da dinastia, Robert K. Massie, vencedor do Pulitzer e autor de best-sellers como Catarina, a Grande, traça o relato definitivo da execução e seus desdobramentos.

Em 17 de julho de 1918, encarcerados havia quatro meses, o ex-imperador, a ex-imperatriz e os herdeiros Olga, Tatiana, Maria, Anastácia e Alexei, com idade entre 13 e 22 anos, foram conduzidos até um pequeno quarto, uma espécie de porão, onde acabaram surpreendidos por 11 homens armados com revólveres. O primeiro disparo se dirigiu a Nicolau, servindo de sinal para todo o esquadrão abrir fogo. Mãe e filha mais velha morreram imediatamente. Em meio aos projéteis que ricocheteavam pelo cômodo, as meninas mais novas se espremeram contra a parede, agachadas, até serem abatidas. Alexei se jogou no chão e foi atingido por dois tiros na orelha. Quando os corpos já estavam sendo enrolados em lençóis, uma das moças deu um grito. Sem munição, o bando terminou o serviço com golpes de baionetas e coronhadas de rifles. Terminava assim a dinastia Romanov.

O destino dos corpos, no entanto, se manteve como um mistério até 1991, com o fim da União Soviética, quando nove esqueletos foram exumados de uma cova rasa em Ekaterinburg, na Sibéria – local não muito distante do infame porão. Seriam aqueles os ossos dos Romanov? Em caso positivo, onde estariam os restos dos dois caçulas? Embasado por uma pesquisa minuciosa, que descortina informações inéditas e surpreendentes, Massie percorre os 73 anos entre um evento e outro numa narrativa que não deixa nada a dever aos melhores romances policiais.

A primeira dúvida que o autor esclarece se refere à culpa de Moscou e seu líder, Lênin, no que se refere ao aniquilamento dos Romanov. Em seu diário, publicado duas décadas mais tarde, o então comissário Leon Trotsky escreveu que “a decisão não era só conveniente, mas necessária. A severidade dessa justiça sumária mostrava ao mundo que continuaríamos a lutar implacavelmente, sem que nada nos detivesse. ” Depois, com drama e suspense dignos de CSI, ele acompanha as investigações, as idas e vindas dos exames de DNA e a disputa entre as equipes de cientistas russos e americanos que contribuíram para enfim solucionar o mistério.

Massie também analisa delírios, mentiras, romantismos, farsas e disparates que sempre acompanharam a história – originados pela desinformação difundida pelo governo de Lênin. Entre os muitos reivindicantes ao trono da Rússia, uma se destacou das demais: Anna Anderson, que, desde seu aparecimento, em 1920, até a sua morte, em 1984, foi tida por muitos como a verdadeira Anastácia. Juntando em partes iguais o melhor das narrativas históricas, das reportagens e dos thrillers, Os Romanov: O fim da dinastia é uma obra fundamental para o entendimento do conturbado e intenso século 20.

Autor: Robert K. Massie
Tradução: Angela Lobo De Andrade
Preço: R$ 39,90
280 pp. | 16×23 cm
ISBN: 978-85-325-3085-1
Assuntoshistória
Selo: Rocco


Underground Airlines
Ben H. Winters

Os Estados Unidos são considerados a terra da liberdade, um valor que custou caro para essa nação, forjada nos processos de independência de suas colônias da Inglaterra e, principalmente, na Guerra de Secessão, sangrento conflito entre os estados do Norte, cosmopolitas e livres, e os do Sul, conservadores e escravagistas. Esses últimos, perdedores na contenda, viram cair por terra seu estilo de vida com o fim da escravidão.  Agora, imagine um universo no qual essa guerra simplesmente não aconteceu: a liberdade é, literalmente, relativa. A modernidade chegou junto com celulares e computadores de última geração, mas a escravidão é realidade em alguns estados do Sul. E, no resto do país, além de serem considerados cidadãos de segunda classe, negros e negras fugitivos são caçados por profissionais exclusivamente dedicados a isso com o apoio do governo americano, dentre eles Victor, um ex-escravo com um passado misterioso e uma missão quase impossível.

É nesse cenário que se desenvolve Underground Airlines, novo thriller do premiado escritor americano Ben H. Winters. Victor é uma versão contemporânea do capitão do mato: ele trabalha para agentes federais na caça a seus irmãos e irmãs. Atormentado, não gosta de fazer isso – privá-los da liberdade foi a única forma de garantir a sua –, mas o faz muito bem. Seu caso mais recente, a busca por um fugitivo chamado Jackdaw, o leva a se infiltrar numa célula abolicionista chamada Underground Airlines. Entre outras coisas, o movimento clandestino é responsável por esconder e retirar do país aqueles que conseguem fugir.

Mas Jackdaw, seu novo alvo, deixa dúvidas: ele conseguiu fugir realmente ou algo pior aconteceu a ele? As últimas pistas o levam a uma história tenebrosa, cheia de rastros de sangue, muito sangue: depois de um dia de trabalho, Jackdaw passa mal e é levado para a enfermaria, seu último paradeiro. O quarto onde estava é encontrado revirado e as enfermeiras, mortas. Seu empregador, um agente que nunca conheceu pessoalmente e com quem só fala por telefone, conhecido pela precisão de detalhes dos casos com que notifica Victor, dessa vez fica reticente ao responder seus questionamentos. O que aconteceu com Jackdaw, afinal? E de que modo a Underground Airlines se envolve na história? A cada passo em direção à solução do mistério, Victor descobre uma conspiração chocante que pode envolver até mesmo o próprio governo americano.

Nessa América distópica, a escravidão ainda é oficial em quatro estados do Sul do país. O Texas é uma república independente e o mal-estar diplomático provocado pela manutenção da escravidão afastou a Europa e o Japão de relações com o país. Um acordo com os outros estados da federação garante que a economia da Lousiana, Mississípi, Alabama e Carolina (sem as divisões entre Norte e Sul) seja movida ao custo do sangue e do suor de escravos, que dão suas vidas nas plantations (monoculturas agrárias) e em outros setores produtivos. Winters pinta um panorama nada otimista de seu país, mas é justamente aí que residem a crítica e a ironia do romance: no nosso mundo, a escravidão não existe nos Estados Unidos, mas isso não impede que a violência e a discriminação raciais sejam uma realidade que tem recrudescido ainda mais nesses tempos de extremismos ideológicos e fortalecimento do conservadorismo na pretensa terra da liberdade. Enquanto tentamos desvendar os mistérios propostos pela história, Underground Airlines também faz pensar e refletir.

Autor: Ben H. Winters
Tradução: Ryta Vinagre
Preço: R$ 49,90
320 pp. | 16×23 cm
ISBN: 978-85-325-3089-9
Assuntosficção – romance/novela, ficção científica/distopia
Selo: Rocco


A vida é um escândalo
Affonso Romano De Sant’anna

Escritor, crítico literário e de arte, jornalista, professor, administrador cultural e, antes de tudo e sobretudo, poeta, Affonso Romano de Sant’Anna chega aos 80 anos escrevendo com intensidade e assombro. Neste A vida é um escândalo, reunião de poemas inéditos que celebra seu octogésimo aniversário, o autor de livros célebres como Que país é este?, A grande fala do índio guarani e a catedral de Colônia, Vestígios, vencedor do Prêmio Jabuti, e Sísifo desce a montanha, para citar apenas parte de sua obra poética, apresenta uma obra densa, rigorosa e refinada que não exclui, no entanto, a poesia erótica ou a experimental e assegura para seu autor um lugar de destaque entre os melhores poetas brasileiros de todos os tempos.

Autor: Affonso Romano De Sant’anna
Preço: R$ 24,90
96 pp. | 14×21 cm
ISBN: 978-85-325-3086-8
Selo: Rocco


Anfiteatro

Santos fortes – Raízes do Sagrado no Brasil
Leandro Karnal e Luiz Estevam de O. Fernandes

Brasileiros, mesmo os ateus, nutrem sincera simpatia por santos. Simpatia essa que é fruto da colonização portuguesa católica, misturada às entidades das religiões africanas, que juntaram suas divindades aos santos cultuados pelos europeus. Desta mescla saiu uma espiritualidade bastante distinta das praticadas na maior parte do mundo, incluindo as regiões que para cá trouxeram suas crenças. É sobre o culto, as vidas e as lendas em torno desses homens e mulheres a quem os brasileiros recorrem para reforçar os pedidos de interferência divina que os historiadores Leandro Karnal e Luiz Estevam de O. Fernandes tratam em Santos Fortes – Raízes do Sagrado no Brasil.

A linguagem simples e o didatismo se juntam à ironia num texto que traz aspectos históricos e pitorescos não apenas sobre a vida dos santos – boa parte deles martirizados ao professar o cristianismo –, mas também fala do comportamento dos fieis em relação aos cultos. Nem o crescimento no País do número de protestantes, notadamente os evangélicos, cuja tradição dispensa intermediação entre o indivíduo e a divindade, reduziu o apego do brasileiro aos santos. Até os que se dizem “católicos não praticantes” aproveitam as folgas, religiosamente, no dia de padroeiros e protetores de incontáveis lugarejos e cidades.

Os censos apontam que os nomes mais encontrados nos registros de nascimento no Brasil são Maria e José, os pais de Jesus Cristo, que também denominam diversas cidades em todo o território nacional. Maria é cultuada sob diversas denominações, entre elas a de Aparecida, a padroeira do país, e a de Nazaré, protetora de Belém do Pará, onde sua festa atrai dois milhões de romeiros para as ruas da cidade, no maior evento católico do Brasil.

Curiosidades não faltam no livro, como a das histórias atribuída a santos não-canônicos, aqueles que são objeto de culto, apesar de desconsiderados por Roma. O milagroso São Longuinho, que encontra objetos perdidos para quem invoque seu nome e dê três pulinhos, seria um romano que teria perfurado o corpo de Cristo na cruz com uma lança. Acabou conhecido pela corruptela de “Longinus”, a forma latinizada do grego “lonche” – que identifica cinco mártires. Um deles teria vivido na Capadócia, região da Turquia de onde também viria São Jorge, cuja santidade foi questionada pelo Vaticano em 1960. Diante da ausência de comprovação histórica da existência de Jorge, o Papa Paulo VI permitiu que a festa do santo, padroeiro da Inglaterra, fosse opcional, algo como um chefe que dá ponto facultativo aos funcionários, explicam Karnal e Fernandes. Perdurou, então, a lenda de que o santo fora “descanonizado”, mas, mesmo assim, trinta anos mais tarde, a cidade do Rio de Janeiro decretava feriado no dia de São Jorge, que, para os cariocas é associado ao orixá Ogum, do candomblé. “Jorge decaía na Cidade Eterna e crescia na Cidade Maravilhosa”, concluem os autores.

Apesar de a ironia perpassar o texto, aspectos devocionais inusitados são apontados respeitosamente,  como a associação de São Sebastião aos homossexuais.  Soldado nascido na França em 256 DC, Sebastião foi um mártir cristão que sobreviveu a flechadas, mas acabou executado e morto. Segundo Karnal e Fernandes, a leitura sobre o santo que sofre perseguições por expor sua fé, vira, “uma forma de sair do armário”. A chamada brasilidade se traduz ainda nas devoções. São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis –
que ao lado de Santo Expedito é um dos que mais atividades propiciam às gráficas, já que o pagamento das “promessas” a ambos se dá pela impressão de “santinhos” –, teve sua popularidade ampliada no Rio de Janeiro desde que a ele se creditaram vitórias no futebol do Flamengo.

A seleção dos santos cujas vidas e cultos são analisados no livro se baseou nos que se destacam pela devoção e representatividade no mundo contemporâneo. São Francisco de Assis, o criador do presépio e da mais conhecida ordem mendicante, devotado a cuidar dos rejeitados pela sociedade, é visto como um precursor dos hippies por seu empenho em viver da maneira mais despojada possível para assim melhor servir aos outros. Não à toa, lembram os autores, o bispo argentino Bergoglio escolheu Francisco como seu nome ao assumir o papado, em 2013.

Sem analisar dogmas religiosos ou sequer os milagres atribuídos aos Santos Fortes – Jorge, Francisco, Sebastião, Judas Tadeu, João, Antônio, Longuinho, Expedito, Bárbara e Maria –, o livro fala do misticismo irreverente de um país que tem como uma de suas maiores características o sincretismo religioso. Uma herança cultural afro-europeia que dá alento à população de um país continental, que recriou e adaptou suas próprias tradições, descritas de maneira clara e densa por Leandro Karnal e Luiz Estevam de O. Fernandes.

Autor: Leandro Karnal E Luiz Estevam De O. Fernandes
Preço: R$ 29,90
216 pp. | 14×21 cm
ISBN: 978-85-69474-35-7
Assuntoshistória, biografia/memórias/diários, religião/espiritualidade
Selo: Anfiteatro


Fábrica231

Eleanor Oliphant está muito bem
Gail Honeyman

Eleanor Oliphant está muito bem é um livro surpreendente. Sua protagonista é cheia de peculiaridades: tem uma aparência incomum, uma rotina extremamente planejada e solitária. Ela trabalha no setor de finanças de uma empresa de design, vive sozinha, não tem amigos, conta com a companhia de uma planta de estimação e é viciada em vodca e palavras cruzadas. Mas a moça não tem dúvidas. Eleanor Oliphant não cansa de repetir: está muito bem assim mesmo. Mas pouco a pouco, conforme o romance avança, percebemos surpresos que há grandes e tenebrosos mistérios sobre seu passado. Mas os leitores só terão conhecimento de sua história quando Eleanor conseguir se lembrar de uma série de acontecimentos que o trauma apagou de sua memória.

Sua vida começa a mudar quando conhece Raymond, o novo funcionário de TI da empresa onde trabalha. Com uma simpatia e uma bondade incomuns, o rapaz pouco a pouco conquista sua confiança e amizade. Aos 30 anos, Eleanor tem seu primeiro amigo e esse simples acontecimento irá mudar toda a sua história. Os dois salvam a vida de um idoso, que cai inconsciente no meio da rua, e, entre visitas ao doente e festas de agradecimento, Eleanor vivencia em pouco tempo mais encontros sociais do que teve em toda a sua vida.

Atrás da aparência de tranquilidade, porém, uma história triste e traumática vai se revelando pouco a pouco, como cascas que são retiradas, deixando à mostra o miolo de alguém que precisou, desde pequena, aprender a sobreviver. Eleanor Oliphant está muito bem é a história de uma sobrevivente, contada de forma leve e cheia de momentos de inocência e doçura. O leitor não consegue parar de ler, até descobrir o que está por trás dessa personagem original.

Autor: Gail Honeyman
Tradução: Edmundo Barreiros
Preço: R$ 49,90
352 pp. | 16×23 cm
ISBN: 978-85-9517-028-5
Assuntosficção – romance/novela
Selo: Fábrica231


Rocco Jovens Leitores

A ascensão do mal – Dorothy tem que morrer #2
Danielle Paige

A aventura de Amy Gumm em Oz não acabou. Para fazer de Oz uma terra livre novamente, Amy precisa remover o coração do homem de lata, roubar o cérebro do espantalho e tomar a coragem do leão. E aí Dorothy morreria. Mas, em A ascensão do mal, aguardada sequência da série de Danielle Paige, ela continua viva. E o passado de Oz guarda muitos segredos que Amy ainda desconhece. Em quem ela poderá confiar para cumprir sua missão?

Bestseller do The New York Times, a série Dorothy tem que morrer é uma fantasia moderna que faz uma releitura sombria do clássico O mágico de Oz, uma das histórias mais adoradas de todos os tempos.  No segundo livro da série, Amy Gumm é resgatada da Cidade das Esmeraldas pelos macacos Ollie e Maude, que usam asas de papel encantadas para transportar Amy e Ozma pelo céu. Entretanto, a viagem acaba sendo interrompida antes que todos pousem em segurança no Reino dos Ápteros. Atacados por aves malignas, eles escapam da morte graças à magia de Amy, e passam a viajar por terra. Quando menos esperam, o Leão aparece, sedento de sangue. Mais uma vez, o poder da adolescente é a chave da sobrevivência do grupo.

No caminho para a Cidadela do Arco-Íris, a garota do Kansas irá seguir a famosa estrada de tijolos amarelos e encontrar a Ilha das Coisas Perdidas, onde voltará a ficar diante do seu amado Nox. Juntos, Amy, Nox e Pete pretendem convencer Policroma a lutar contra Dorothy e aliados dela, como o Espantalho e a bruxa Glinda. Paralelamente, Amy tem que lidar com a magia que sente crescer dentro de seu corpo e parece querer dominá-la. Conseguirá a jovem ter força suficiente para controlar seus poderes e vencer essa guerra? Deixe Danielle Page ser sua guia no mundo fantástico de Oz e descubra.

Autor: Danielle Paige
Tradução: Cláudia Mello Belhassof
Preço: R$ 34,90
ISBN: 978-85-7980-380-2
Assuntosficção – romance/novela, fantasia
Selo: Rocco Jovens Leitores


Os crimes da rua Morgue – E outras histórias extraordinárias
Edgar Allan Poe

A vingança de um gato preto contra o dono cruel. As tormentas de um sobrevivente em um aterrorizante navio-fantasma. A paixão pelo vinho como armadilha para uma atroz cilada. A misteriosa doença que destrói os últimos descendentes de uma rica e importante família. A tétrica obsessão de um homem pelos dentes da prima. A amada que retorna da morte para ocupar o seu lugar de direito.

Em Os crimes da rua Morgue e outras histórias extraordinárias, o macabro esconde-se em detalhes, no sobrenatural e na rotina de pessoas comuns ao trilhar um caminho tênue do incerto ao desconhecido, entre a vida e a morte, a sanidade e a loucura. Reunindo alguns dos mais importantes contos escritos, há quase dois séculos, pelo renomado autor norte-americano Edgar Allan Poe, o lançamento resgata obras-primas do terror e do suspense que influenciaram o estilo, o conteúdo e a estética das gerações seguintes não apenas na literatura, mas também em filmes, séries, games e histórias em quadrinhos.

Publicado pela primeira vez em 1841, na Graham’s Magazine, o conto que nomeia o livro, Os crimes da rua Morgue, traz a estreia de Auguste Dupin, considerado o primeiro detetive da literatura policial e do raciocínio dedutivo. O personagem viria a influenciar a criação de outros detetives ficcionais que também priorizam a razão, como os clássicos Sherlock Holmes, de Arthur Conan Doyle, Arsène Lupin, de Maurice Leblanc, Hercule Poirot, de Agatha Christie, e o comissário Jules Maigret, de Georges Simenon.

Os crimes da rua Morgue é o carro-chefe desta reunião de histórias de terror e mistério traduzida por ninguém menos que Clarice Lispector. Grande leitora e fã da literatura policial, a escritora, que também verteu para o português os livros de Agatha Christie sob o pseudônimo de Mary Westmacott, empresta seu talento invulgar ao gênio de Poe, trazendo para o leitor brasileiro histórias como “A máscara da morte rubra”, “O gato preto”, “Ligeia” e outras. Lançamento do selo Fantástica Rocco, esta edição de Os crimes da rua Morgue e outras histórias extraordinárias recupera este encontro, literalmente, fantástico.

Além das histórias de Poe, Clarice traduziu obras literárias de Jonathan Swift, Oscar Wilde, Júlio Verne, Jack London, Henry Fielding e Walter Scott, sem esquecer peças de teatro de dramaturgos como Lillian Hellman, Yukio Mishima, Henrik Ibsen, Carson McCullers e García Lorca.

Autor: Edgar Allan Poe
Tradução: Clarice Lispector
Preço: R$ 29,90
224 pp. | 15,7×22,7 cm
ISBN: 978-85-68263-57-0
Assuntosficção – conto, terror, suspense
Selo: Fantástica Rocco


O gabinete paralelo – Sombras de Londres #3
Maureen Johnson

A capital britânica nunca foi tão assustadora. Os túneis subterrâneos, o Marble Arch e as galerias da rede de esgotos de Ranelagh são alguns dos principais cenários da trama de O gabinete paralelo, terceiro volume da série de mistério Sombras de Londres, de Maureen Johnson. No livro, Rory Deveraux se pergunta se não deveria ter voltado para sua pacata cidade nos Estados Unidos, depois de tudo o que viveu desde que chegou a Wexford. Não bastasse descobrir a habilidade de ver fantasmas e enfrentar uma versão moderna de Jack, o Estripador, ela agora sofre a perda de seu amor, Stephen, e teve sua melhor amiga, Charlotte, sequestrada. Mas é tarde para voltar atrás. Rory tornou-se peça-chave no esquadrão que monitora fantasmas em Londres. E enquanto tenta se recuperar de uma série de acontecimentos trágicos e lidar com todo tipo de surpresas do destino, uma terrível ameaça paira sobre a cidade, exigindo que ela mergulhe ainda mais fundo nas Sombras de Londres.

Neste terceiro título da série Sombras de Londres, Rory, Callum e Bu não têm outra alternativa a não ser procurar Stephen em todos os lugares em que ele gostava de estar. Eles precisam saber, o quanto antes, o que realmente aconteceu com o amigo. Imersa em um turbilhão de sentimentos, Rory passa por uma angústia ainda maior: será que conseguiu salvar a vida de Stephen? Ao mesmo tempo, sob o olhar atento de Thorpe, os três companheiros do esquadrão secreto precisam encontrar Charlotte, a monitora-chefe da escola de Rory, vista pela última vez junto com a psicóloga Jane, de quem Rory conseguiu ser salva em uma atitude precipitada, mas eficiente, de Stephen ao final do segundo livro.

Rory precisa ainda lidar com uma iminente tragédia: os seguidores de Sid e Sadie deslocaram as pedras que tornavam Londres uma cidade segura tanto para os vivos e quanto para os mortos. Com isso, instalou-se o pânico na cidade e a atuação do gabinete paralelo veio à tona, envolvendo pessoas acima de qualquer suspeita. O gabinete paralelo mantém o leitor atento a cada movimento, atiçando ainda mais a curiosidade para os próximos capítulos de Sombras de Londres.

Autor: Maureen Johnson
Tradução: Sheila Louzada
Preço: R$ 49,90
352 pp. | 15,7×22,7 cm
ISBN: 978-85-68263-50-1
Assuntosficção – romance/novela, suspense
Selo: Fantástica Rocco


Elefante pergunta: Qual desses livros é perfeito para começar a ler em outubro?

Cintia, 30 anos, é uma das criadoras do Elefante Voador, responsável pela seleção e redação de conteúdo do site, além da cobertura fotográfica dos eventos. Mora em Poços de Caldas/MG), formada em Design Gráfico e atua como diagramadora de livros. Aspirante a escritora, sonhadora, apaixonada por livros, gatos, música pop, pizza e chocolate. Twitter: @superci / Instagram: @cisuperci

Você também poderá gostar de:

Comente via FB ♥